Crumble de maçãs e frutos vermelhos

A receita foi encontrada no blog da Rute mas aqui fica para quem a quiser fazer. Posso dizer que nunca tinha feito nem comido mas que se tornou, assim de repente, a minha sobremesa preferida…

Ingredientes usados: 115 g de farinha / 50 g de flocos de aveia / 100 g de manteiga + uma colher de sopa para a fruta /                                                50 g de açúcar amarelo + 2 colheres de sopa para cobrir a fruta / 225 g de maçãs descaroçadas                                                  e cortadas aos pedaços / 225 g de frutos vermelhos

( usei uma mistura congelada de frutos vermelhos: framboesas, amoras, ginjas, morangos e groselhas vermelhas. Apesar do crumble original levar sempre maçã, na verdade, podem-se juntar as frutas que se gostar mais)

* Bate-se a farinha, os flocos de aveia e a manteiga até se obter uma massa de textura irregular, semelhante a miolo de pão.

* Adiciona-se então o açúcar e bate-se novamente. Num prato de tarte, colocam-se as frutas misturadas. Estas são então pinceladas com a manteiga e o açúcar, como explicado acima.

* Cobre-se a fruta com o preparado anterior e levar ao forno por meia hora, até a fruta borbulhar e a massa ganhar uma cor douradinha.

Serve-se ainda quente com custard (as instruções estão na embalagem) ou gelado de baunilha.

Oh, delícia das delícias…!!!

 

 

do fim-de-semana

Se o fim-de-semana é sinónimo de conforto e descanso, então não pode faltar comida. E, porque a comida aquece a alma e reconforta em dias monótonos, o bolo de chocolate deve ser, por si só, o rei dos confortos.

Mas digam-me lá se esta quiche também não vos transmite boas energias? Quiche de espinafres com requeijão. Por aqui somos fãs.

 

Adenda

Para as meninas que me pediram a receita desta quiche, aqui vai a receita:

 

Quiche de espinafres

– 1 embalagem de massa folhada;

– 1 cebola grande;

– 1 molho de espinafres;

– 1 requeijão;

– 2 dl de leite;

– 2 ovos;

– queijo ralado, tipo flamengo;

– sal e pimenta q.b;

– azeite q.b;

Distender a massa folhada com a ajuda de farinha e o rolo da massa. Untar uma tarteira (de preferível com fundo amovível, trust me) com manteiga e enfarinha-la. Forrar a tarteira com a massa e reservar.

Entretanto, refogar a cebola picada no azeite e acrescentar os espinafres, previamente arranjados, cortados e bem lavados. Saltea-los no azeite por uns minutos. Temperar com um pouco de sal e pimenta. De seguida, cortar o requeijão aos cubos e envolve-los no preparado, bem como o leite e os ovos já batidos. Desligar o lume e aquecer o forno a cerca de 150º C.

Adicionar o preparado da frigideira na tarteira. Polvilhar com o queijo ralado e levar ao forno por cerca de 20 minutos.

Bom apetite!



 

homemade xmas

Este natal teve muito fabrico caseiro. Adorei literalmente pôr as mãos na massa e partilhar comida com a família.

Acima, bolachas de alfazema, receita da Mafalda. Abaixo, uma modificação que fiz com canela.

Compota de maçã e canela – infelizmente ficou demasiado doce para o meu gosto. Não sei o que fizeram ao açúcar amarelo que não encontrei em lado nenhum…

Azevias de batata doce – gosto tanto….

E ainda um almoço de natal vegetariano, com massa e legumes.

Há qualquer coisa de mágico quando nos reunimos na cozinha com a família para cozinhar. Quando vários pares de mãos se juntam e a criatividade brota por entre sorrisos e trocas de ideias.

Aquece o coração.

 

Adenda:

Esqueci-me de mencionar que as três últimas fotos são de autoria do rei

compota de tomate

A reciclagem também se pode (e deve) fazer na cozinha e aproveitar alimentos que estão a ficar demasiado maduros é a perfeita desculpa para se fazer compota.

Um destes dias tivemos a sorte de receber uma boa quantidade de tomate. Por feliz coincidência, as nossas mães deram-nos tomate no mesmo dia e, de repente, já tínhamos uma quantidade maior  no frigorífico do que a nossa capacidade de o comer. Lembrei-me então de fazer compota. Eis como fiz:

Ingredientes:
2 kg tomates maduros
1 kg açúcar amarelo
1 pau de canela
1 limão

Depois de pelado, coloquei o tomate cortado aos bocados num tacho onde se foi encontrar com o açúcar. Incorporei-os bem.

Adicionei a canela e a casca de limão. O cheiro, nesta altura, é absolutamente divinal. Nem me passa pela cabeça fazer compota sem estes dois ingredientes cruciais.

Deixei ferver até ganhar consistência, mexendo frequentemente. O lume deve estar brando para não haver risco de pegar no tacho. Aproveitei este tempo para ler um livro enquanto um cheiro encantador invadia a minha cozinha e os meus sentidos.

E o resultado é este: cremoso e com uma cor maravilhosa.

Com o Outono instalado, ir para a cozinha fazer compota dá uma sensação de conforto muito agradável e também é um excelente presente para oferecermos a quem mais gostamos.